cinema/famosas/literatura/mulheres inspiradoras/televisão

Quer saber quem são as mulheres mais influentes segundo a “Time”? Spoiler: Tem feministas e tem cultura pop!

A revista “Time” divulgou ontem sua tradicional lista das cem pessoas mais influentes no mundo e fiquei contente de ver que estão lá alguns nomes dos quais o Bitch Pop é muito fã. São 38 mulheres que atuam em diversas áreas, da política ao entretenimento, passando pelas finanças, tecnologia e ciência. A gente sabe que ainda é pouco (é menos da metade, gente!), mas o bacana é ver que são personalidades que não só se destacam nas suas áreas, mas também atuam para dar voz e melhorar a situação das mulheres no mundo.

Como este é um blog de cultura pop, selecionei as minhas preferidas dessa área –e que estão do lado do feminismo–, e traduzi trechinhos do que os convidados da revista escreveram sobre elas. Eu já falei de várias delas aqui –Emma, Chimamanda… <3–, mas nunca é demais levantar a bola quando as colegas fazem um trabalho bacana.

Dá pra ver a lista completa da “Time” aqui.

amy-schumer-time-100-2015-artists

Amy Schumer

Ela é aquela que provavelmente estará do seu lado quando os bullies aparecere. É o rosto dela, ali, aquela abrindo espaço para te salvar, dando cotoveladas neles para que saiam do caminho. Ela é aquela que não perde nada: que não aceita nenhuma merda, dona de um radar tão eficiente quanto um cão de caça.

Ela é a primeira a se jogar na água todas as vezes, de roupa, com o desprendimento que apenas crianças de 8 anos e velhos de 80 tendem a mostrar, e ela nos incentiva a nos juntarmos a ela. Estou dentro.

A Amy vai cobrir sua retaguarda.

Ela está no canto.

Ela é uma bomba de honestidade.

E ela vai te pegar.

Tilda Swinton (atriz vencedora do Oscar)

anita-sarkeesian-time-100-2015-pioneers

Anita Sarkeesian

Anita Sarkeesian jogou videogames a vida toda. Em 2012, depois de observar que as mulheres representam cerca de 40% do público de jogos, ela lançou a campanha de crowdfunding para Tropes vs. Women in Video Games’, uma websérie que “exploraria cinco estereótipos comuns e recorrentes nos personagens femininos nos videogames”. Ela alcançou sua meta de US$ 6 mil no primeiro dia e acabou arrecadando mais de US$ 150 mil. Mas também se tornou alvo de um assédio danoso e misógino que incluía ameaças de morte e estupro, vandalismo pornográfico de sua página na Wikipédia é um esforço coordenado para que a campanha dela no Kickstarter fosse marcado como terrorismo. Tudo isso porque ela queria abrir um diálogo sobre a maneira em que as mulheres são retratadas nos videogames.

Wil Wheaton (ator e ídolo nerd)

Nigerian author Chimamanda Ngozi Adichie

Chimamanda Ngozi Adichie

Ela é a romancista rara que no espaço de um ano encontrou suas palavras usadas em uma música de Beyoncé, tendo seus direitos cinematográficos comprados por Lupita Nyong’o e premiada com o National Book Critics Circle Award para ficção. Mas a escritora nigeriana Chimamanda Ngozi Adichie é simplesmente este tipo de romancista. Agraciada com a bolsa MacArthur para “gênios”, Adichie escreve sobre os desdobramentos complexos da história colonial da Nigéria e sua escalada a uma posição de destaque em uma era na qual imigração para o oeste não significa mais uma passagem só de ida. Com sua palestra viral no TEDxEuston, “Sejamos Todos Feministas”, ela encontrou sua voz como crítica cultural.

Radhika Jones (editora da “Time)

UN Women launches HeForShe IMPACT 10x10x10 Initiative

Emma Watson

O alter-ego de Emma Watson, Hermione Granger, sem dúvida aprovaria sua campanha HeForShe e sua visão visceral e esperta do feminismo.

É alentador ver os homens sendo convidados a participar da luta pela igualdade de gênero, como Watson fez com precisão no lançamento da campanha da ONU no ano passado, dizendo aos homens “é um problema de vocês também”.

Também é um alívio ver seu vigoroso envolvimento com o feminismo, que Watson define como “a teoria da igualdade política, econômica e social entre os sexos”. E, aparentemente, esta é a forma em que ela vive. Apesar de ser uma das atrizes mais bem pagas, ela já falou sobre a falta de diretoras mulheres em Hollywood.

Jill Abramson (ex-diretora de redação chefe do “New York Times”)

julianna-margulies-time-100-2015-artists

Julianna Margulies

Foi com sua paixão, coragem, empatia e resoluta determinação em fazer a diferença nas vidas das pessoas fora da tela que me identifiquei.

Começamos a falar da lei Erin, um projeto que ela tem lutado para aprovar e que foi batizado em referência a Erin Merryn, que foi sexualmente abusada durante anos quando era criança, mas nunca contou para ninguém porque tinha vergonha. Juliana disse: “A lei Erin foi aprovada em 19 estados e Erin não vai parar enquanto todos os 50 não tiverem aprovado. Até que todas as crianças tenham uma voz”.

Mas é possível ver que Julianna também não vai parar.

Kirsten Gillibrand (senadora pelo estado de Nova York)

laverne-cox-time-100-2015-pioneers

Laverne Cox

[Para as crianças trans], ter algum tão visível e forte quanto Laverne Cox para se espelhar é muito inspirador. Ela fez tantas coisas incríveis –não só atuando em “Orange Is the New Black”, mas também tendo amor próprio suficiente para dividir sua história com o mundo. Ela é uma pioneira na nossa comunidade.

Jazz Jennings (ativista)

reese-witherspoon-time-100-2015-pioneers

Reese Witherspoon

A razão pela qual Reese está nesta lista é que ela não é mais apenas uma atriz talentosa e famosa. Ela é um ícone. Sim, ela é bonita (…). Mas não é por isso (embora eu ache que ela poderia ganhar muito dinheiro assim). Reese é uma artista, mas também é uma pessoa pró-ativam uma qualidade que reconheci na primeira vez que a vo. Ela se impacienta com o fato de que Hollywood não cria o tipo de bons papéis que ela quer interpretar, então ela cria bons papéis criando bons filmes. Esta desenvoltura é que faz dela uma pessoa que eu não só admiro, mas que também me inspira. E isso é influência.

Mindy Kaling (atriz e criadora da série “The Mindy Project”)

A lista completa ainda tem mulheres poderosas (Hillary Clinton, Angela Merkel, a juíza da Suprema Corte dos EUA Ruth Bader Ginsburg), engajadas (Malala Yousafzai, a presidente da Médicos Sem Fronteiras Joanne Liu) e glamourosas (Taylor Swift, Kim Kardashian, Diane von Furstenberg).

Se fosse no Brasil, que mulheres você colocaria nessa lista?

Anúncios

3 pensamentos sobre “Quer saber quem são as mulheres mais influentes segundo a “Time”? Spoiler: Tem feministas e tem cultura pop!

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s