música

A transgressão de Elza Soares

Talvez ela não se dê conta, mas a mera existência de Elza Soares já é em si uma transgressão. Mulher. Negra. Nascida na favela. “Destruidora de lares”. Mãe. Viúva. Sensual aos 77 anos. Moderna.

A primeira vez que vi um show seu, em 2007, mal conhecia seu trabalho, mas já fiquei impressionada com a vivacidade e intensidade daquela mulher, que não parava de dançar e rebolar, descumprindo orientações médicas.

Na segunda vez, nem 12 pinos na coluna seguraram esta que faz jus ao clichê de força da natureza –“mas o resto está tudo no lugar”, fez questão de assegurar à plateia do Cine Joia na última quinta (30).

Elza é moderna e cantou “com computador” –dois DJs soltando as bases para ela brincar com a voz e transformar em pancadão “Chega de Saudade” e outros clássicos da canção e do samba. Elza mostra que o rap e o funk são descendentes do samba e não podem renegá-lo. Elza recebe com carinho os herdeiros de sua arte, mesmo os não tão óbvios, como Emicida, com quem fez versões memoráveis de “Volta por Cima” e “Nega do cabelo Duro”.

Elza não abre mão da vaidade e da sensualidade. Reafirma o sexo mesmo contra os preconceitos que diriam que ela já passou da idade. Beija todos na boca. Faz comentários maliciosos. Elza é um modelo de mulher a seguir. Elza ensina que não existe idade para fazer política, se posicionar, lutar contra a desigualdade.

Elza é transgressora.

(apenas para aconselhar que não percam uma próxima oportunidade de ver esta mulher ao vivo)

Anúncios

Um pensamento sobre “A transgressão de Elza Soares

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s